Minha Rua Meu Jardim

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

MARÇO...MÊS DAS ÁGUAS E DAS MULHERES!


Água e mulher têm natureza parecida. São a expressão das emoções, são hora mansas e ternas, hora furiosas e ameaçadoras... São fonte de toda vida. Por mais que a ciência tenha avançado, não gera vida sem partir do elemento feminino, do óvulo e de um útero que o abrigue. Água e mulher têm sofrido nos últimos séculos. Poluição, rios mutilados no seu curso, mangues soterrados, matas ciliares dizimadas, plásticos, sofás velhos, tintas e resíduos químicos para uma. Desrespeito; falta de liberdade para decidirem sobre seus corpos e seus destinos; salários mais baixos; dupla jornada de trabalho, para outra.

As agressões à Natureza caminharam de mãos dadas com as agressões às mulheres e ao princípio feminino neste planeta.

Estamos vendo, agora, a humanidade despertar para este erro. Buscar entender e equilibrar suas ações com os ritmos naturais do Planeta e abrir espaço para igualdade entre os gêneros.

Homens e mulheres foram feitos para viverem em paz, harmonia e alegria. Assim como toda a humanidade foi criada para desfrutar de uma boa vida na Terra.

Ainda dá tempo! Vamos celebrar neste mês as Águas e as Mulheres, intensificando nossa gentileza e nossos cuidados com elas e vamos construir, juntos, a vida que queremos.

Abrimos hoje um espaço para quem quiser fazer sua homenagem publicamente e também difundir boas práticas e idéias em prol das águas e das mulheres, em nosso PLANETA ÁGUA.

Wilma do Lago
 2013 “ANO INTERNACIONAL DA COOPERAÇÃO DA ÁGUA”

Água, até quando iremos dispor deste recurso natural?

No que diz respeito à preservação do meio ambiente, a conservação das fontes de água, esse elemento vital, a perpetuação das espécies, requer uma atenção especial no planejamento de medidas para redução do consumo, e de uma boa gestão dos recursos hídricos e otimização do uso da água.
Vários são os fatores que tornam preocupantes a má gestão da água:
  • A variação da quantidade disponível de um país para outro;
· A probabilidade dos países desenvolvidos que possuem melhores condições financeiras, e, portanto, maiores possibilidades de investimento em reservatório, barragens e outras tecnologias que facilitam o acesso da população a água, favorecendo assim uma maior precipitação de chuvas;
·  O estresse hídrico caracterizado pela falta de água em determinados momentos do ano;
·         E pelas escolhas prioritárias no uso da água.
Para melhoria da qualidade da água e purificação da mesma, é de fundamental importância devolver aos sistemas fluviais os seus caudais naturais, gerir a irrigação, utilizar produtos químicos e resíduos animais, e travar a poluição atmosférica.
O consumo consciente deste recurso também é fato relevante e nos leva uma mudança de postura. Fechar a torneira enquanto escovamos os dentes, fechar o chuveiro enquanto tomamos banho, controlar o gasto na lavagem de pratos, não fazer a mangueira de vassoura, enquanto lavamos as calçadas são medidas simples que podem minimizar escassez futura.
Outra medida que facilitaria a vida de todos seria o reuso da água. Aproveitar águas da chuva, de um poço artesiano ou mesmo a água que desce o ralo, com certeza incentivaria a autonomia de suprimentos, bem como o uso racional da água com certificação de qualidade.
A instalação de um sistema de reuso pode significar em economia de até 70% de água no processo produtivo, e se 10% das indústrias adotassem a reutilização da água, a economia seria equivalente à metade do volume gasto na grande São Paulo em um dia (1,6 bilhões de m³).
Essa técnica não chega nem a 1% das instalações no Brasil e encontra uma barreira cultural, pois ainda não se confia no sistema de tratamento não proveniente das empresas oficiais. Mesmo assim, devemos lembrar que a água encanada também apresenta contaminações ou excesso de cloro, por exemplo, o que leva ao uso de purificadores pelo consumidor final. Então devemos acabar com essa barreira para este excelente sistema.
O bombeamento excessivo da água subterrânea está causando declínio dos lençóis freáticos em regiões agrícolas chave na Ásia, África do Norte, Oriente Médio e Estados Unidos. A qualidade da água também está deteriorando-se devido ao escoamento de fertilizantes e pesticidas, produtos petroquímicos que vazam de tanques de armazenagem, solventes clorados, metais pesados despejados pelas indústrias e lixo radioativo de usinas nucleares.
Se não atentarmos para os perigos que a falta de água poderá nos causar, podermos passar por privações irreversíveis.
O tema em questão exige uma tomada de consciência a cerca do uso indevido e desmedido que estamos fazendo deste recurso senão as gerações futuras serão prejudicadas em potencial, pois desfrutarão dessa semente má que estamos permitindo que germine.
Autoria: Jovita Ribeiro

                                             

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

PROPOSTAS DA 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE EM LUZIÂNIA - DELEGADOS ELEITOS


INFORMAÇÕES SOBRE A 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE EM LUZIÂNIA


No dia 03 de fevereiro de 2012 no Centro de Cultura e Convenções Professora Abigail Brasil da Silveira, realizou-se a  1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE EM LUZIÂNIA que contou com a participação de vários Secretários Municipais de Meio Ambiente e Delegados Municipais pertencentes a RIDE/DF (goianos). Com cerca de 110 inscritos, foram debatidos os Sub-temas e cada grupo apresentou suas propostas que foram aceitas ou não na plenária. No final da tarde houve a eleição dos Delegados Regionais que irão representar na 3ª Conferência Estadual que acontecerá em Goiânia nos dias 01, 02 e 03 de março de 2012.

“Propostas” discutidas e aprovadas que irão para discussão na Conferência Estadual:

SUBTEMA: PSA: Pagamento Por Serviços Ambientais

1. P.S.A para incentivo fiscal aos agricultores familiares que preservem as nascentes e vegetação nativa além dos 20%;
2. P.S.A diferenciado para pequenos agricultores, com politicas de bonificação diferenciadas dos grandes produtores;
3. P.S.A para incentivar os agricultores a reflorestar ou manter as áreas nativas;
4. P.S.A. com políticas diferenciadas para manter os agricultores no campo, incentivando a renda familiar;
5. P.S.A diferenciado aos agricultores assentados da reforma agraria visando a manutenção das glebas de vegetação nativa;
6. P.S.A diferenciado para criação e manutenção de corredores ecológicos;
7. P.S.A diferenciado para as áreas que contemplem bacias de captação de água de abastecimento publico.

SUBTEMA: Unidade de Conservação e ICMS Ecológico

1. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham plano de gestão integrada de resíduos sólidos;
2. Têm direito a ICMS ecológico municípios quem tenham programas de preservação ambiental e recuperação de áreas degradadas;
3. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham Unidades de Conservação implantadas e asseguradas por lei especifica;
4. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham Áreas de Proteção Permanente devidamente respeitadas;
5. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham programas de conscientização ecológica em escolas assegurada por lei;
6. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham programas de erradicação de caça e pesca predatória;
7. Têm direito a ICMS ecológico municípios que desenvolvam programas de agro extrativismo;
8. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham programas de repovoação dos rios com alevinos nativos;
9. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham conselho municipal de meio ambiente deliberativo e atuante;
10. Têm direito a ICMS ecológico municípios que tenham plano diretor urbano e rural;
11. Têm direito a ICMS ecológico municípios que possuem barramentos com plano diretor de uso e ocupação do entorno.
SUBTEMA: Comitês de Bacias Hidrográficas e Participação Democrática

1. Envidar esforços no sentido cobrar articulação política do governo estadual para aprovação do plano estadual de recursos hídricos visando entre outros objetivos, a delimitação das regiões hidrográficas;
2. Que o estado de Goiás, através da SEMARH-GO implemente um plano de divulgação da PNRH, visando fomentar a articulação política para criação dos comitês de bacia das regiões ainda não contempladas;
3. Que o plano estadual R. H e a política estadual de R.H dêem especial atenção e prioridade a produção de alimentos e agroecoturismo, ressalvados o abastecimento publico e a descedentação animal;
4. Que a SEMARH-GO juntamente com a s secretarias municipais conceba campanhas de educação para valorização dos recursos hídricos, destacando, sobretudo a necessidade da existência, importância e papel dos comitês e agencias de bacia, tendo como publico a população em geral;
5. Que a política estadual do meio ambiente crie regras para uso e conservação das áreas de recarga.

SUBTEMA: RESÍDUOS SOLIDOS

1. Participação direta do estado nos custos de coleta e destinação dos R.S.U;
2. Retomar reuniões e criar consórcios intermunicipais para implantar aterros e usinas, destinar e processar os R.S.U;
3. Buscar incentivos públicos e privados para implantar consórcios e usinas (P.P.P) inclusive resíduos da construção civil;
4. Implantar coleta seletiva do lixo, galpão de triagem, e incentivar as cooperativas;
5. Implantar a educação ambiental e criar campanhas de conscientização;
6. Instalar lixeiras e contêineres seletivos nas vias publicas e aglomerados;
7. Implantar por meio de consórcio a gestão de resíduos sólidos;
8. Agilizar e descentralizar o licenciamento ambiental;
9. Exigir e fiscalizar o recolhimento de pneus usados por parte das industrias;
10. Melhorar a comunicação e orientação da SEMARH-GO junto aos municípios e regionalizar a gestão;
11. Criar incentivos fiscais para usinas de processamento de resíduos sólidos;
12. Que a Ride/DF apóie e viabilize o financiamento do plano integrado de gestão de resíduos sólidos nos municípios.

SUBTEMA: AGROEXTRATIVISMO


1. Reconhecimento do Cerrado como Patrimônio Nacional (PEC 115/95);
2. Elaborar lei específica para uso e conservação do Cerrado-marco regulatório;
3. Definir a política pública no Estado de Goiás para a prática do agroextrativismo;
4. Viabilizar a valorização dos produtos criando incentivos e créditos para o agroextrativismo;
5. Criar cooperativas e incentivar o associativismo dando tratamento especial à comunidade escolar;
6. Capacitação e qualificação dos gestores públicos, das universidades e de instituições técnicas com vínculos com o agroextrativismo;
7. Rediscutir a educação com temas do Bioma Cerrado na capacitação dos gestores e educadores;
8. Criar programas e projetos de coleta, de comercialização e industrialização dos produtos do Cerrado;
9. Em áreas degradadas no Cerrado recompor com as espécies nativas;
10. Estabelecer o desmatamento zero no cerrado;
11. Incluir os temas de agroextrativismo na mídia do governo estadual;
12. Incentivar e apoiar financeiramente, estudos e pesquisas para melhor aproveitamento da biodiversidade local, em aplicações diferenciadas como farmacêutica, química, cosmética entre outros.

DELEGADOS ELEITOS NA 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE EM LUZIÂNIA:

Setor Público:
Simony Cortes da Silva, Cristalina; Pedro Henrique Mendes Ferreira de Formosa; Suplente o Sr. José Augusto Paralovo – Abadiânia.

Sociedade Civil Organizada:
Jucélia Mendes P. de Sousa – Água Fria de Goiás Fabrício de Carvalho Honório –Luziânia; Rithiele Oliveira de Souza – Formosa; Cleiton Simioni Blahum – Abadiânia; Joel Pereira Lemes – Abadiânia; Suplentes: Valmir Adelino Camilo – Água Fria de Goiás; Paulo Rodrigo Alves dos Reis – Formosa.

Setor Privado/Empresarial:
Titulares: Paulo Garces Baes – Abadiania; Marcio Henrich – Formosa; Edson Felix da Silva Filho – Valparaíso de Goiás; Suplente: Jaci Pereira Pinto – Abadiânia.
Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE EM LUZIÂNIA


C O N V I T E


O Prefeito Célio Silveira e o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Télio Rodrigues de Queiroz, tem a honra de convidar Vossa Senhoria para participar da 1ª Conferência Regional do Meio Ambiente, cujo Tema Central é “Cerrado RIO+20: Economia Verde no Contexto do Desenvolvimento Sustentável e da Erradicação da Pobreza”, conforme programação abaixo:

DIA: 03/02/2012

LOCAL: CENTRO DE CULTURA E CONVENÇÕES        
             PROFESSORA ABIGAIL BRASIL DA SILVEIRA

08:00 as 08:45 h – Recepção, Inscrição e Café da Manhã

08:45 h – Abertura Oficial

09:15 h -  Leitura do Decreto e leitura e Aprovação do    Regimento Interno

10:00 h – Formação dos Grupos Temáticos; discussão dos temas

13:00 h – Intervalo para Almoço

14:00 h – Apresentação e votação das propostas;
                Eleição dos Delegados Regionais.

17:00 h – Encerramento.




1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE - LUZIÂNIA



Temas das Conferências:

·        Tema RIO +20

Economia Verde no Contexto do Desenvolvimento Sustentável e da Erradicação da Pobreza


·       Tema Municipais, Regionais e Estadual


Cerrado RIO +20: Economia Verde no Contexto do Desenvolvimento Sustentável e da Erradicação da Pobreza

·       Subtemas do documento base:

1-         Agroextrativismo: Coleta e Aproveitamento da Biodiversidade Nativa Combinada com a Produção Agrícola e Pecuária.

2-         Política Estadual de Resíduos Sólidos: Estudos de Regionalização da Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos.


3-         Pagamento por Serviços Ambientais - PSA: Processo de Valorização da Vegetação Nativa. Remuneração pela Conservação do Meio Ambiente.

4-         Unidade de Conservação e ICMS Ecológico: Mais Repasse para Municípios que Preservam.


5-         Comitês de Bacias Hidrográficas: Participação Democrática.

 Comissão Organizadora da Conferência Regional
Tel. (61) 39063049 - 39063122
C/ Wilma do Lago e Zacarias da Silva Filho

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DO MEIO AMBIENTE EM LUZIÂNIA